quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Museus - Poema de Isabel Furini

Esse poema foi inspirado em uma palestra da artista e professora Katia Velo.

MUSEUS

Colecionar,
conservar
expor
difundir
possibilitar a contemplação
dos objetos de arte
e dos objetos do passado

recriar momentos
valorizar (de maneira
material
emocional
cultural)

deleitar
vencer o tempo
educar as novas gerações
eternizar
a história das cidades
renovar o olhar
analisar os acontecimento
descobrir detalhes do passado
interpretar os dados
para que não sejam esquecidos
com o zunir dos ventos

Museus são celeiros de conhecimento.

(Poema de Isabel Furini)

Quadro "Eslavos no Museu Paranaense"de Eloir Jr. 






terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Ler? -


- Por que devemos ler  avô?
perguntou o menino.
E o avó respondeu com sapiência:
– Ler, meu querido netinho,
ajuda a compreender o mundo
e estimula a inteligência.

Isabel Furini

Publicado em 11-12- 2008, no Recanto das Letras.





terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Uma pergunta para Jandira (poema de Isabel Furini)

Uma pergunta para Jandira

A poetisa Jandira Zanchi comentou sobre as máscaras que ocultam os desejos primitivos.

neste mar de embustes
e de falsos sorrisos
a maioria joga com cartas marcadas
e aposta em máscaras de bondade

será que temos chances?
nós (poetisas)
que transitamos
por um caminho solitário - sem simulações

nós (poetisas)
que sonhamos e balbuciamos
os nomes das estrelas da constelação de Andrômeda
meditamos os mantras para Lakshmi
e invocamos a força de Minerva
enquanto enfrentamos
a noite, os desertos e os abismos.

Isabel Furini


segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Isabel Furini: Museu de Cera Madame Tussauds - POEMA

Museu de Cera Madame Tussauds

A sensação é de fazer parte de um quadro
ao observar os personagens admirados
(estão magnificamente representados
diretores, atores, atrizes, humoristas...)

em uma sala, Edward - mãos de tesoura
nas outras, Lawrence de Arábia, o capitão Picard
Volverine, Charles Chaplin, o deus Thor
Maryl Streep, Patrick Swayze, Snoop Dogg
e atrás da escrivaninha o Poderoso Chefão

misturados na cabeça dos admiradores
estão os personagens e os atores
eles são condutores de sonhos
quase deuses eternizados pela arte.

Isabel Furini

Fotos tiradas no Museu de Cera Madame Tussauds, Hollywood, USA.
O Museu autoriza tirar fotos e tocar as esculturas de cera, menos tocar o rosto.
Calçada da Fama - Hollywood -Foto de Isabel Furini

Isabel Furini 

Isabel Furini

O sábio, o sabiá e o Anjo - Poema de Isabel Furini


O SABIO, O SABIÁ E O ANJO

o sábio e o sabiá sonham 
nos vórtices de universos paralelos

eles entrelaçam as essências
o sábio canta cancões de ninar
e o sabiá ouve em silëncio

enquanto um antigo Anjo de asas luminosas
e de olhar matreiro
os observa com um sorriso bondoso que tritura as sombras
e tritura o tempo

o Anjo, o sábio e o sabiá
ancoram no coraçao da eternidade.

Isabel Furini



quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

O palhaço - Poema infantil

O PALHAÇO

O palhaço dançava sozinho,
Era um palhaço engraçado,
Ele usava um chapéu pintado
pelo lobisomem do povoado


E quando alguém o humilhava
Ele não se incomodava.
Com um sorriso brincalhão
Ele rugia como um leão.

Depois com sorriso maroto
ele tirava uma foto,
e a colocava alegremente
ao lado de quinze pentes.

As crianças riam muito
Desse palhaço engraçado.
E o palhaço era feliz,
Pois ele se sentia amado.

Poema de Isabel Furini

Desenho de Van Zimerman

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

O gato e o Rato (poema infantil de Isabel Furini)

O gato estava na poltrona
Quando viu um rato
Brincado com uma vassoura.

O gato correu o rato,
E o rato se escondeu
Em um buraco da parede.

Depois de uma hora,
Cansado de esperar,
Pulou sobre a poltrona.

Sobre a poltrona
Havia uma bola de basquete
da Dona Georgete.

A bola de basquete
Caiu sobre o tapete.
O gato deu um pulo.

Caiu sobre o tapete
E começou a brincar
Com a bola de basquete.

Entrou na cozinha
Um outro pequeno rato,
Chamado Honorato.

Pois cheiro de queijo
É bom para os ratos.
O rato achou o queijo.

E ficou feliz.
Comia o queijo Camembert
Quando o gato o viu.

Honorato correu e o queijo levou
E dona Georgete
Entrou na cozinha e gritou:

Criro, você está de regimem,
não pode comer queijo.
O Ciro, confuso, falou:

- Sim, querida...


Isabel Furini

Fotografia de Isabel Furini

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...