sexta-feira, 27 de abril de 2012

Resultado del Concuro en español 2012.

Vejam:

RESULTADO 2º CONCURSO POETIZAR EL MUNDO


1° Lugar
PERLA EN EL UNIVERSO

Hermosa como ninguna, la tierra sigue girando
entre el paso de los siglos y un mundo que va cambiando.
Maravilla incomparable, sueño de tantos poetas
que han dedicado sus versos a este excelso planeta,
y a sus colores de vida que el universo refleja.



Sheina Lee Leoni Handel
Montevideo, Uruguay


2º Lugar
EMPÍREO


Escribir es morir a cada instante
y también soñar
poder dar a la existencia un aliento de muerte cada noche
pero no escribo
únicamente vomito lo invisible

Pavel Carlos Muñoz Ayona
Lima, Peru

3º Lugar
SENTIDO

No es que perdi el tren
porque estuviese atrasada
es que yo esperaba
en el outro sentido.



Autora: Ester Buffa
São Paulo, Brasil

4º Lugar
1 (Uno)

Miráme,
ayudáme a contemplar
los profundos ojos
del niño antiguo.
Me avergüenzan.

Darío Alejandro Paiva
De Buenos Aires, Argentina

5º Lugar


A última Nana

Antes que la noche escribiera
un final azul bajo sus párpados,
el cuento perdió la última hoja
y las hadas cayeron
                        al vacío.
Erick Edilberto Estrada Quispe
Arequipa - Peru



6º Lugar
CAMINO
El sol,
se ha escapado de la humanidad.
¡Qué extraño!
una niña alumbra el camino.


Yajaira Coromoto Álvarez Giménez
Barquisimeto, Venezuela

7º Lugar
RUMBO A LA DEMENCIA

En el límite exacto de la sensatez
y en extraños estados de tiempos no vividos
(huelo su aroma)
transporto el dedo índice hasta mis sienes
cual bala penetrando en mis deseos.

Gloria Olguin
 IQUIQUE – CHILE


8º Lugar

CAMINO LA TARDE

Voy caminando la tarde, me ayuda a recordar
en este viaje de ida conmigo los años van;
insiste, insiste la tarde en las cosas que hice mal…
pero la vida me dice: Basta ya de llorar.
Dios te ha puesto la mesa con tu vino y con tu pan.

Ester García
Buenos Aires, Argentina


9º Lugar

XIII

Olvidé que aquel árbol estaba allí creciendo
ahuecándose dentro
no me culpen si arrastro tantos bosques desechos
ya no tengo familia
hay un túnel. He muerto.



Claudia Alemán Concepción
La Habana Cuba


10º  Lugar
Mares

A veces somos mares tormentosos sobrevolados por incontables gaviotas
otras veces somos el mar calmo y sin gaviotas
otras veces somos el mar que se ondea tranquilamente y las gaviotas bajan…
en ese punto la soledad se diluye ...y la gaviota muere de amor.


Catalina Sánchez Bohórquez
Bogotá, Colombia

quinta-feira, 26 de abril de 2012

2º CONCURSO INTERNACIONAL POETIZAR EL MUNDO - GANADORES


Recibimos 755 poemas. Agradecemos mucho a todos los poetas que participaron. Los trabajos son excelentes, y el jurado trabajó mucho hasta llegar a uma decisión. Gracias a todos.

1° Lugar
PERLA EN EL UNIVERSO

Hermosa como ninguna, la tierra sigue girando
entre el paso de los siglos y un mundo que va cambiando.
Maravilla incomparable, sueño de tantos poetas
que han dedicado sus versos a este excelso planeta,
y a sus colores de vida que el universo refleja.



Sheina Lee Leoni Handel
Montevideo, Uruguay


2º Lugar
EMPÍREO


Escribir es morir a cada instante
y también soñar
poder dar a la existencia un aliento de muerte cada noche
pero no escribo
únicamente vomito lo invisible

Pavel Carlos Muñoz Ayona
Lima, Peru

3º Lugar
SENTIDO

No es que perdi el tren
porque estuviese atrasada
es que yo esperaba
en el outro sentido.



Autora: Ester Buffa
São Paulo, Brasil

4º Lugar
1 (Uno)

Miráme,
ayudáme a contemplar
los profundos ojos
del niño antiguo.
Me avergüenzan.

Darío Alejandro Paiva
De Buenos Aires, Argentina

5º Lugar


A última Nana

Antes que la noche escribiera
un final azul bajo sus párpados,
el cuento perdió la última hoja
y las hadas cayeron
                        al vacío.
Erick Edilberto Estrada Quispe
Arequipa - Peru



6º Lugar
CAMINO
El sol,
se ha escapado de la humanidad.
¡Qué extraño!
una niña alumbra el camino.


Yajaira Coromoto Álvarez Giménez
Barquisimeto, Venezuela

7º Lugar
RUMBO A LA DEMENCIA

En el límite exacto de la sensatez
y en extraños estados de tiempos no vividos
(huelo su aroma)
transporto el dedo índice hasta mis sienes
cual bala penetrando en mis deseos.

Gloria Olguin
 IQUIQUE – CHILE


8º Lugar

CAMINO LA TARDE

Voy caminando la tarde, me ayuda a recordar
en este viaje de ida conmigo los años van;
insiste, insiste la tarde en las cosas que hice mal…
pero la vida me dice: Basta ya de llorar.
Dios te ha puesto la mesa con tu vino y con tu pan.

Ester García
Buenos Aires, Argentina


9º Lugar

XIII

Olvidé que aquel árbol estaba allí creciendo
ahuecándose dentro
no me culpen si arrastro tantos bosques desechos
ya no tengo familia
hay un túnel. He muerto.



Claudia Alemán Concepción
La Habana Cuba


10º  Lugar
Mares

A veces somos mares tormentosos sobrevolados por incontables gaviotas
otras veces somos el mar calmo y sin gaviotas
otras veces somos el mar que se ondea tranquilamente y las gaviotas bajan…
en ese punto la soledad se diluye ...y la gaviota muere de amor.


Catalina Sánchez Bohórquez
Bogotá, Colombia

Mañana Resultado del 2º Concurso Poetizar el Mundo

Poetas que participaron del concuro Poetizar el mundo en español. Muchas gracias por la participación.

Recibimos 755 poemas!

No es trabajo fácil. Los jurados enviarán el resultado mañana.

Por favor, tengan paciencia, porque ellos precisan discutir diferentes aspectos de los poemas que ya fueron selecionados.

El primero concurso recibió casi 150 poemas, el segundo concurso recibió 755! Vean que el trabajo de los jurados de este concurso es mucho mayor.

MAÑANA PODRÁN VER EL RESULTADO.

terça-feira, 24 de abril de 2012

O RELÓGIO (Poema infantil)


O RELÓGIO

Tic...Tac....  Tic....Tac....
Tic... Tac... Tic... Tac...
Os ponteiros dançam,
dançam sem cansar.
Tic... Tac... Tic... Tac...

O relógio continua
a marcar as horas
sem presa e sem demora.


Tic...Tac....  Tic....Tac....
Chega meio-dia
chega meia-noite
e o relógio anda,
anda,
anda
e anda.
Anda sem parar.
Será que ele quer chegar
até a praia
e tomar banhos de mar?

segunda-feira, 23 de abril de 2012

4º CONCURSO DE POESIA “POETIZAR O MUNDO”


TEMA: QUADROS DO ARTISTA PLÁSTICO CARLOS ZEMEK

MODALIDADE: Minimalista

IMPORTANTE:  somente serão admitidos poemas inspirados ou relacionados com alguma das telas do artista plástico Carlos Zemek. No final da página apreciação crítica das obras por Claudia de Lara e Samways Neto.
As telas que devem servir como base para os poemas podem ser vistas no blog:


Organizadora: escritora Isabel F. Furini, autora do livro de poemas “Os corvos de Van Gogh”.



1) O Concurso de Poemas tem como objetivo estimular a produção literária  e é destinado a todas as pessoas maiores de 18 anos que apresentem um poema minimalista inédito, escrito em português, e baseado em alguma das telas do artista plástico Carlos Zemek.

2) A inscrição é gratuita e poderá ser feita até 30 de agosto de 2012.

3) Cada concorrente poderá participar com apenas um poema minimalista (até 5 versos ou linhas) inédito (ou seja, ainda não impresso em papel, nem publicado na internet), que não tenha sido premiado em outro concurso, e relacionado com alguma das telas de Carlos Zemek.

4) Consideram-se inscritas as obras enviadas pelo e-mail: poetizaromundo@gmail.com
Em "assunto": 4º Concurso Poetizar o Mundo.

5) O poema deve ser digitado no corpo do e-mail, sem anexo, pois não abrimos arquivos. O poema deve estar escrito em língua portuguesa, digitado em espaço 2 (dois), com fonte Arial, tamanho 12 (doze).

6) Deverá constar no final: o título do poema,  nome completo do autor, seu endereço, e-mail, telefone, e 4 ou 5 linhas de currículo.

7) A comissão julgadora será composta por três jurados:  poeta, escritora e professora Dra. Tatiana Alves, autora de “Harpoesia” e “D'Além-Mar: Estudos de Literatura Portuguesa”;  poeta e escritor Benilson Toniolo, membro da Academia de Letras de Campos do Jordão, autor de “Sandálias Paternas”; e pelo escritor Dr. José Feldman, Doutor Honoris Causa em nível nacional e internacional da Academia de Letras do Brasil.

8) Premiação: o primeiro lugar receberá troféu e diploma. O segundo e terceiro lugares receberão diplomas. Serão escolhidas até três Menções Honrosas, que também receberão diplomas.

9) O resultado do concurso será divulgado em sites literários da Internet e nos blogues:  www.cazemek.blogspot.com;  

11) O resultado será divulgado até 21 de outubro/2012. Na ocasião também será homenageada  a escritora Adélia Maria Woellner pelo seu trabalho em prol da literatura paranaense.

12º) Os dez primeiros colocados terão seus poemas divulgados nos blogues citados.

13º) Está proibida a participação da organizadora do concurso, dos jurados e do artista plástico cujas obras servirão de inspiração aos poetas.

14º) O encaminhamento dos trabalhos na forma prevista neste regulamento implica na concordância com as disposições nele consignadas.

SOBRE A OBRA DE CARLOS ZEMEK
“Fayga Ostrower em Universos da Arte, fala em três correntes estilísticas, que ela nomeia como “três atitudes básicas”. Seriam o Naturalismo, o Idealismo e o Expressionismo. Não são excludentes, e, por vezes, até se interpenetram no estilo de uma época ou na obra de um artista. Dentro de uma vertente expressionista é como vejo a obra de Carlos Zemek. Sua poética é a pintura e sua temática são seus sonhos, estudos de astronomia e conhecimento de lendas, filosofia celta e culturas e religiões antigas  Por isso não o cosideramos surrealista ou dentro do genero da arte fantástica, pois sua obra é a representação de uma compreensão de uma experiência real.”  Cláudia de Lara, artista plástica.
            “Carlos Zemek faz em suas telas a experiência mística que inspira sua cosmovisão .  É o olhar transposto ao profundo da vida espiritual não percebida no cotidiano da vida. Cumpre com dignidade a missão de artista, de revelar ao mundo o que sua sensibilidade lhe desvela. O retrato da realidade macro-cósmica presente nos detalhes micro-cósmicos. Zemek narra as cores diáfanas que movimentam o oculto. Insinua que a significação que parece estar fora, está, na verdade, dentro de quem contempla sua obra.”  Joel Samways Neto, escritor.



Isabel Furini
Organizadora
Curitiba, 15 de abril de 2012.

                                                                       ***

sábado, 21 de abril de 2012

OS OLHOS DO CÉU (Conto infanto-juvenil)


Era o vigésimo ano do Governo Correto. O Imperador de Jade Amarelo se regozijava em seu trono de ouro. Em um dia como tantos, das areias do deserto de Gobi, chegou um viajante com as vestes gastas, deteve-se ante o muro dos espíritos e contemplou os dezesseis dragões imperiais. Depois avançou entre as impecáveis colunas lisas e poligonais e solicitou que o levassem até a presença do Magnífico Imperador.

O ilustre Filho do Céu permitiu ao viajante se deleitar com sua presença, porque era orgulhoso e estava satisfeito com sua fama de misericordioso. O estranho ancião foi encaminhado para a ampla sala. Realizou as respeitosas reverências indicadas no ritual chinês, percorreu com o olhar os dezoito trípodes e por último observou o Dono das Cinco Regiões dizendo:

– Viajei pelo Reino do Norte, pelo Reino do Leste, pelo Reino do Sul, pelo Reino do Oeste e pelo Reino Médio. Todos te pertencem, oh, Grande Imperador. Mas após essa longa viagem, encaminhei-me ao zênite e por direito próprio converti-me em rei de mim mesmo. Então, aprendi a observar a flor que se abre ao sol e o voo dos pássaros. Aprendi a não desejar, a não planejar, a não me projetar ao exterior, a permanecer em mim mesmo e me converti no Imperador do Infinito.

O excelentíssimo Governador do Império Celeste mexeu-se intranquilo em seu trono sem poder ocultar seu desgosto. Compreendeu, nesse instante, que o velho possuía um império mais vasto que o seu. Sua mente se movimentou aceleradamente, como as lavas de um vulcão, como uma violenta tormenta de areia.

O Filho do Céu, o Imperador dos Cinco Elementos, pensou na sua fama. “O que será de mim quando os homens conhecerem o poder deste velho... Ainda que não seja o dono de um Império Infinito, sua atitude é comprometedora, e se suas ideias se espalharem, não mais me temerão”, pensou. O que fazer? Por fim, a mão fina e aristocrática fez um leve sinal. A Guarda Imperial se mobilizou e o ancião foi feito prisioneiro e executado naquele mesmo dia. Enquanto os soldados o arrastavam, deu um último olhar de compaixão ao poderoso Governador e aprofundou-se no seu silêncio interior.

Morreu sem sequer dar um grito, e somente uma mancha de sangue foi a testemunha de uma vida que se afastava.

À noite, depois de passear pelo jardim e contemplar a lua crescente refletida no lago, o Senhor do Império Médio se dedicou ao descanso. De repente, observou uma torrente de sangue que se deslizava por baixo da porta. O ilustríssimo Governador da China levantou-se rapidamente, como um raio tremendo em seu coração. Antes que pudesse gritar, da mancha de sangue elevou-se uma névoa que formou uma estrutura diferenciada e na qual o Imperador pode reconhecer... o velho viajante.

O velho sorriu com tristeza e disse:
– Honorável Senhor, não foste justo.
– Não, venerável ancião, eu não fui justo – respondeu com humildade. Seus joelhos tremiam, as mãos suavam e um nó parecia aninhar na sua garganta – mas quero que saibas que até então sempre fui justo.
– Ninguém te desafiou?
– Jamais – respondeu o Imperador com voz firme, recuperando-se do choque que lhe produzira a presença inesperada do velho.
– Meu governo se chama o Governo Correto. Admito que fui injusto por ter ordenado tua morte, mas amanhã irei ao Templo Ancestral e pedirei a meus antepassados a purificação por esse ato de impiedade.

– Ilustríssimo Imperador, cada um deve assumir suas próprias faltas e purificar-se a si próprio. Além do mais, senhor, nunca foste realmente justo. Todas tuas ações estão contaminadas.
– O que queres dizer?
– As tuas ações somente são boas em aparência.
– O que queres dizer, ancião?
– Tuas boas ações somente são boas em aparência.
– Como é possível? – perguntou atordoado.

– Oh, Filho do Céu! Tua intenção sempre foi egoísta. Com tuas ações procuras obter a fama do governante justo, mas nunca tiveste como objetivo o benefício de teu povo. Só estavas interessado em tua própria pessoa. Tu és superficial, egocêntrico e orgulhoso. Não és realmente bom. Com teus atos de aparente bondade buscavas beneficiar só a ti. Por isso ordenaste a minha morte. Teu coração não pode suportar a existência de alguém que seja livre, de alguém mais poderoso do que tu.
– Não compreendo, venerável ancião – disse mexendo a cabeça, com o olhar confuso – não consigo entender nem tuas palavras, nem tua presença.
– Talvez não queiras compreender, nobre Senhor. Eu era o encarregado de te revelar os mistérios do céu e de te dar o néctar da instrução. Não permitiste que eu cumprisse com meu dever... Agora não poderás cumprir corretamente o teu dever.

Uma nova luz espalhou-se pelo aposento real.
– Agora compreendo meu erro – confessou o Imperador – como poderei corrigir minha falta?
– Não será fácil, Senhor do Império Médio; não será fácil, Governador das Cinco Cores; não será fácil, Amo dos Cinco Animais Sagrados.
– Que devo fazer, Venerável Mestre? – perguntou num murmúrio. Ao pronunciar essas palavras, a voz do Imperador Celeste tremeu. Seus olhos negros se encheram de tristeza.
– Deves esquecer a tua fama, a tua condição, a tua glória. Deves ser tu mesmo. Cumprir teu dever, que é servir ao povo.

Ao dizer isso, a imagem do viajante começou a desvanecer-se, e o Imperador esqueceu sua glória, sua condição de aristocrata e gritou desesperado:

– Senhor, Mestre, preciso te ver.
– Aprenda a me ver em cada coisa. Eu estou em Tudo. Olhe minha forma verdadeira.

O Imperador das Cinco Regiões permaneceu atônito, contemplando a imagem do ser que havia reverenciado desde sua juventude. Diante dele estava Yu-Huang-Chang-Ti, o Supremo Imperador Augusto de Jade, o Senhor do Céu.

O sol avançava entre as nuvens quando o Imperador de Jade Amarelo acordou. Fez reunir na sala dourada todos os sábios conselheiros de seu reino e, ao narrar a causa de sua aflição, o mais velho lhe disse:

– Filho do Céu, vives dramaticamente centralizado na tua própria pessoa. Nosso venerado Yu-Huang-Chang-Ti, o Senhor do Céu, quer que te esqueças de ti mesmo e então ganharás o Império da Eternidade.

O Imperador de Jade Amarelo sorriu feliz e abriu suas portas interiores ao altruísmo. Então iniciou o Ano Primeiro do Governo Perfeito.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

ADAM SANDLER É O PIOR ATOR DO MUNDO? (Crônica)



Decidi escrever sobre Adam Sandler influenciada por uma conversa com algumas amigas sobre o Framboesa de Ouro. Estávamos numa confeitaria deliciando-nos com bolo de chocolate quando surgiu a conversa sobre o filme "Cada um tem a gêmea que merece".

Eu ainda não assisti esse filme. Uma das minhas amigas achou o filme muito sem graça. Outra disse que é ruim, mas não é o único filme ruim de 2011. Já minha amiga que é professora de alunos de nível médio pensa que é bullying o fato de Adam Sandler ter ganhado sozinho nas categorias: pior ator, pior atriz e pior dupla. Isso pode acabar com a carreira de qualquer pessoa.

Comentamos que o comediante tinha uma carreira. Agora não será fácil para ele. Será que é divertido acabar com outros? Humilhar? Acabar com as chances que o outro tem em alguma profissão?

O Framboesa de Ouro é uma paródia do Oscar, um antiOscar poderíamos dizer, premia os piores filmes, atores, roteiros, etc.O idealizador do prêmio foi John Wilson. Ele iniciou a "premiação" nos anos 80.

O prêmio dos piores do ano não perdoa nem aqueles considerados grandes diretores como George Lucas, nem atores ganhadores de Oscar como Angelina Jolie, Michael Caine, Nicole Kidman, Nicolas Cage, Anthony Hopkins e muitos outros.

Nem Luciano Pavarotti conseguiu escapar do Framboesa, ele foi indicado em 1983 pelo filme Yes, Giorgio. Luciano ficou muito deprimido e nunca mais teve coragem de tentar carreira de ator.

O Framboesa de Ouro ao longo dos anos foi destruindo a carreira de alguns bons atores. No caso de Sean Connery, que foi indicado ao Framboesa de Ouro por Os vingadores (1998), ele fez mais dois filmes, que foram criticados, e desistiu do cinema desiludo com Hollywood.

Em 2011, aconteceu algo inusitado. Sandra Bullock, a menina de ouro, demonstrou que não seria o Framboesa de Ouro que acabaria com a carreira dela, não! Ela foi receber o prêmio. Corajosa, foi muito aplaudida. Poucos dias depois foi aplaudida na festa do Oscar. Como pode a mesma pessoa ser a pior e a melhor do ano? Vergonha para John Wilson. Errou feio, não é mesmo?

Talvez por isso, neste ano mudou a data do Framboesa de Ouro, agora é no 1º de abril, depois do Oscar. E, além disso, tinha que esculhambar alguém, mas esculhambar mesmo! O público esquecesse a vergonha do erro cometido contra a Sandra Bullock. Derrubar em uma só tacada Adam Sandler e Al Pacino era algo que o Framboesa não queria perder.

Ao saber que Adam Sandler havia recebido três Framboesas, fiquei pensando que ninguém merece! Três de minhas amigas haviam assistido ao filme “Cada um tem a gêmea que merece”, só uma delas havia gostado e disse que, na sua opinião, Adam Sandler foi vítima de bullyng por parte dos organizadores do antiOscar, o Framboesa de Ouro.

O comediante tinha uma boa carreira. Será que alguém ficou magoado com isso? Agora ninguém sabe se ele ainda tem carreira pela frente. É necessário perguntar se é divertido acabar com os outros? Humilhar? Diminuir as chances de triunfo de um profissional? Penso que a melhor atitude quando não gostamos de um ator, de um diretor ou do assunto de um filme é não assistir. Só isso. Acho interessante que algumas pessoas assistem a filmes com atores ou roteiros que odeiam só para poder criticá-los.

Será que o mundo moderno é tão agressivo, tão seletivo, que a maioria das pessoas já sofreu de frustrações e quer descarregar essa carga emocional nos outros?

É como se o agressor estivesse dizendo: “Eu fracassei várias vezes, mas vejam o Adam Sandler, ele é pior do que eu. Ele é de nada. Ganhou três Prêmios Framboesa e pode ser considerado o pior do mundo”.

Será que isso dá prazer para algumas pessoas?

Vivemos em um mundo tão assustador como o mundo dos vampiros ou das tribos primitivas. Os terrores podem ser outros, mas o terror está aí. É o medo de perder o emprego, de fracassar, de ser criticado, de ser deixado para trás, de ser enganado. Medo do fracasso. Medo da solidão. Medo de morrer ou de não morrer... Nossa civilização é tão assustadora!






E o glamour é tão falso, não é? Você notou que os profissionais não vão a festas para se divertirem, eles fazem “contatos”. Não vão à praia porque gostam de praia, mas porque temem os comentários dos vizinhos e amigos. Alguém poderá se perguntar: Ele não tem dinheiro para lazer?

Vivemos no mundo da imagem, do photoshop, todos queremos ser lindos e bem sucedidos como algumas estrelas de Hollywood – digo, algumas estrelas, porque tudo nos leva a pensar que Adam Sandler foi simplesmente sacaneado. Ou, para usar uma imagem mais própria de Hollywood, posso dizer que ele foi devorado por um buraco negro. E não merecia isso. Vamos esperar agora que algum Justiceiro da galáxia possa salvá-lo.


Isabel Furini é escritora e poeta premiada, autora de “Eu quero ser escritor – a crônica”, do Instituto Memória, Curitiba.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

LITERARTE PARANAENSE


LITERARTE PARANAENSE - Promoção: SESC Água Verde - Curitiba /PR LOCAL: SESC Água Verde Salão de Eventos Av. República Argentina, 944 Fone: (41) 3342-7577 DATA 20 de Abril de 2012 (sexta-feira) HORÁRIO Das 18 horas às 21h30 CONTATO literarteparanaense@gmail.com

PROGRAMAÇÃO

18h00 – Abertura Oficial - Apresentação de expositores convidados (educação, literatura, música e artes visuais)

18h10 - Lançamentos de livros e início da sessão de autógrafos 1- BALELA – Mario Auvim 2 - ESTRANHA VISÃO - Rosalina Candida Carvalho 3 INICIAÇÃO CRISTÃ - Diácono Sérgio Ferreira de Almeida

18h15 – Grupo de Seresta Sesc Água Verde 18h30 - Palestra com Anthony Leahy, Diretor do Instituto Memória: Identidade Nacional e Cultura Regional 19h00 – Mesa Redonda: A produção intelectual docente e a responsabilidade de seu legado para a cultura local. Mediadora: Susan Blum (Universidade Positivo) Componentes: Adélia Maria Woellner (UFPR), Adonai Sant'Ana (UFPR), Anthony Leahy (Instituto Memória), Isabel Furini (professora do Solar do Rosário) e (Universidade Positivo).

20h00 – Performance poética Altair de Oliveira (Declamação e Varal de Poesia) João Bello e Susi Monte Serrat (música e poesia)

20h30 – Homenagem e show musical Suka Rodrigues: Fotografias de Ivo, família e Banda Blindagem (acervo pessoal em multimídia) Adriano Antunes (canta Blindagem e composições próprias) Todos os músicos ao palco (homenagem coletiva)

21h30 - Encerramento

sábado, 14 de abril de 2012

CAMPO DE TRIGO DE VAN GOGH


Corvos ferinos, mímicos ferinos,
sombras da genialidade,
murmúrio dos rios subterrâneos,
canal das águas do inconsciente.

Campo de trigo com pretos corvos
moendo
as tenebrosas horas.

O vento sussurra entre os ouvidos a tela
quase um ulular de morte.

Poema do livro “Os Corvos de Van Gogh”, editora Virtual Books, 2012.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

O CACHORRO E O GATO (Poema infantil)



Miau, miau, miau.
O gato do vizinho
comeu a comida
do meu cãozinho.

Miau, miau, miau.

O gato atrevido
caminhou pela calçada
pulou o muro,
colocou o focinho
no prato do cão
e acabou rapidinho
com a carne e o pão.

Auu, auu, auuuuu.
O cachorro chegou latindo,
o gato subiu na árvore
e o cachorro começou a grunhir.
Grrr, grrr, grrr.

O vizinho foi camarada
e deu um lanche
para o cachorrinho.

Splts, splts, splts.
O cachorro lambeu
o prato de comida
e mexeu o rabo com alegria.


Poema de Isabel Furini

Isabel Furini é escritora e palestrante, autora da coleção "Corujinha e os filósofos", da editora Bolsa Nacional do Livro. Ministra oficinas e palestras para futuros escritores.
Contato: isabelfurini@hotmail.com

segunda-feira, 9 de abril de 2012

O TELEFONE (Poema de Isabel Furini)



O Telefone achava que era um artista
e foi ao Teatro de Revista.

Tocou o telefone
uma sinfonia desafinada.

Triimmm, triimmm, triiimmmm,

O público foi embora
e não pagou nada.

Isabel Furini é autora da colação "Corujinha e os filósofos" da editora Bolsa Nacional do Livro.

sábado, 7 de abril de 2012

O DINHEIRO NÃO TRAZ A FELICIDADE?

É muito interessante perceber que a maioria de nós muitas vezes fala frases impensadamente. Temos frases comuns que nos levam por caminhos que não pensamos, é comum dizer “matou por amor”, “o amor domina o mundo”, “ a honestidade é a melhor política”, “dinheiro não traz a felicidade” e outras.

Lamentavelmente nenhuma dessas afirmações resiste ao pente fino. Quando filtramos essas frases vemos que não se adaptam à realidade. A primeira já foi discutida por psicólogos. Ninguém mata por amor, em geral, quando uma pessoa ciumenta mata a sua namorada, ou namorado, falamos “matou por amor”, mas a causa não é o amor, é o ciúme.

Outra frase que leva a discussões é dizer que “o amor domina o mundo”. Será? No mundo, seja empresarial, social, político, quem domina é o jogo (ou joguinho) de poder. Um quer mostrar que é superior ao outro, ou um quer dominar o outro ou usar o outro como degrau para subir mais alto. Existe amor nas relações internacionais? Entre sérvios e bósnios? Entre árabes e judeus? Entre ateus e crentes? Entre ricos e pobres? Os Estados Unidos “ama” e protege os países subdesenvolvidos ou aproveita para sugar as riquezas naturais? Às vezes é difícil entender o porquê dessa frase romântica: o amor domina o mundo. Se o amor dominasse mesmo, este mundo seria quase um paraíso.

Eu também pensei durante muito tempo que a honestidade era a melhor política – e como criei inimigos por essa minha compulsão à honestidade. Uma vez uma aluna me disse que em uma festa um bêbado brindou à memória do pai morto fazia pouco tempo e disse: “Obrigado, papai, graças a você eu sou bom. Obrigado, papai, graças a você eu sou autêntico. Obrigado, papai, graças a você eu sou honesto, muito honesto. Obrigado, papai, graças a você eu sou pobre…”.

E sobre o “dinheiro não traz a felicidade”, ele sozinho não traz felicidade, não, mas sem ele ninguém é feliz. Se você precisar ir a um médico, a um dentista, viajar, comprar uma casa, ir ao teatro, comprar um livro, de um computador e não tiver dinheiro, imediatamente pensará que o dinheiro não é tudo, mas que ajuda muito. É uma das condições para ser feliz. Como disse aquele piadista, “não é que eu goste do dinheiro, é que ele me acalma os nervos”.

Mas essas frases feitas as pessoas repetem, até fica bonito dizer que o “dinheiro não traz a felicidade”, ou que o “amor domina o mundo”. Um amigo que gosta de luzir-se dizendo que seus filhos só usam tênis das melhores marcas, que custam em torno de R$ 1.000,00, que vão às melhores escolas e fazem esporte em bons clubes, etc., fecha sua fala dizendo: o dinheiro não traz a felicidade. Em uma reunião um rapaz exclamou: “A quem quer enganar, seu mané?”.

* Isabel Furini é escritora e palestrante, autora do livro “Eu quero ser escritor – A Crônica”,

quarta-feira, 4 de abril de 2012

O medo da galinha

A galinha
do galinheiro
da vizinha
aproximou-se da fuinha.


A fuinha
tinha
fominha.

A ladainha,
- entrelinha -
campainha
da andorinha
alertou a Marinha,
madrinha da vizinha.

Marinha
com a sombrinha
bateu
na barriga
da fuinha,
que queria
comer a galinha.


A fuinha
fugiu!
A Marinha
salvou a galinha.

Isabel Furini é escritora e palestrante, autora da coleção “Corujinha e os filósofos”, da editora Bolsa Nacional do Livro. Ministra oficinas e palestras para futuros escritores. Contato (41) 8813-9276, e-mail: isabelfurini@hotmail.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...